30 tons de cinza #5 – Dilaceração Radicular

Brincadeiras à parte este aí é um caso de dilaceração radicular, e convenhamos, uma mega dilaceração; parece que as raízes estão fazendo o número 4. Sim ou Não?!

Será que estamos vendo demais?! Já teve um caso assim?!

Compartilhe sua experiência com a gente!!

Recorte de uma radiografia panorâmica.

A dilaceração radicular faz parte das anomalias dentárias, que estão incluídas nas alterações de desenvolvimento dental e mais especificamente, correspondem às alterações que acontecem a morfologia do dente.

O termo dilaceração significa angulação anormal ou curvatura acentuada na raiz de um dente ou em casos menos frequentes, na coroa de um dente (isso mesmo … podem acontecer na coroa também!).

Dentre as causas que podem originar uma dilaceração radicular destacam-se as injúrias (traumas) que podem ter acontecido na região enquanto o germe dentário estava em desenvolvimento, acabando por gerar o deslocamento da porção calcificada do germe dentário enquanto o restante do dente se forma na angulação normal.

E qual sua implicação!? É um achado radiográfico (não é visto clinicamente a menos que ela seja tão pronunciada a ponto de impedir a erupção do dente, o que por sua vez levará a ausência clínica do mesmo).

Atenção redobrada deve ser dada pelo profissional em casos como este da imagem se alguns procedimentos nesses dentes forem necessários, como por exemplo Endodontia e Cirurgia (extração).

***

Esse é um guest post da querida Prof. Dra. Maria Beatriz Carrazzone

Professora Universitária e Coordenadora de Curso. 
Cirurgia Dentista pela USP 
Especialista, Mestre e Doutora em Radiologia Odontológica pela UNICAMP
Responsável pelo ótimo perfil @radioacao_odonto.
Sigam-na !!!
Compartilhe com os amigos
  • 5
    Shares

Comentáros

comentários

Fabrício Mendes
Fabrício Mendes
Fundador do Vida de Dentista

Os comentários estão encerrados.