Cirurgia Extração OdontoSecção

OdontoSecção #17 – Fratura de mandíbula após extração de terceiros molares inclusos

Na nossa coluna de cirurgia odontológica hoje falamos sobre fratura de mandíbula após extração de terceiros molares inclusos. Como evitar esse risco?

Aos colegas do VDD um salve,

Hoje eu trago para todos vocês um caso que aconteceu comigo, e como todos, não sou perfeito, sou passível a cometer erros e o importante é você acolher o seu paciente quando complicações acontecem.

Em toda minha trajetória profissional eu tinha conhecimento de casos de fraturas de mandíbula como uma complicação na extração de terceiros molares inclusos quando ocorre uma força excessiva com alavanca aliada à  extensas osteotomias (já tinha operado alguns casos no hospital) mas nunca tinha visto fraturas ocorrendo no pós operatório, e foi o que aconteceu comigo essa semana.

No dia 10 de agosto eu removi um 48 incluso Classe III – B (quando ele só localiza totalmente no ramo da mandíbula e abaixo da linha cervical do segundo molar) de um paciente homem, com 45 anos e sem molares em oclusão no lado esquerdo. A cirurgia foi linda e perfeita, sem nenhuma intercorrência e a mandíbula não estava fraturada quando eu fechei e terminei. Orientei o paciente para o pós operatório e as recomendações a respeito da alimentação líquida e pastosa.

O paciente relata que até sete dias após a cirurgia tudo estava bem, sem edema e dor, quando segundo o mesmo foi comer um sanduíche e foi quando o mesmo sentiu um estalo e dor. O examinei com 14 dias de pós operatório e o àºnico sintoma era uma parestesia do alveolar inferior no lado onde foi feita a cirurgia e uma discreta limitação de abertura de boca, sem crepitação e nenhum outro sinal clássico de fratura. Solicitei uma radiografia panorâmica. Isso tudo no dia 21 de agosto. O paciente retornou apenas na àºltima sexta feira com radiografia datada do 12 de setembro mostrando a fratura de mandíbula exatamente no local da extração do siso, ainda sem crepitação de mandibula, sem dor e sem edema. O paciente se queixa apenas de incômodo ao mastigar coisas mais duras.

O que fazer agora? Orientei o paciente a buscar o serviço de CTBMF no qual trabalhei até pouco tempo atrás, mas o caso é de tratamento conservado, seja com bloqueio maxila-mandibular com barra de Erich e elásticos ou com aparelho fixo e elásticos (será utilizado aparelho fixo pois o paciente deseja fazer ortodontia).

Na literatura, é possível encontrar artigos relatando fraturas de mandíbula no período pós operatório, em média 14 dias após a cirurgia (ocorrendo de 5 a até 28 dias após a cirurgia) em pacientes com idade entre 40 e 50 anos, na maioria dos casos a fratura ocorrendo devido ao excesso de força mastigatória na região fragilizada com a extração do dente incluso.

Então colegas, fica a dica: reforcem a orientação de dieta branda e cuidados na prática de exercícios, em principal atividades com risco de impacto e em pacientes com idade acima de 40 anos.

Aqui você vê mais dicas sobre cuidados pós extração dentária.

Até a próxima!

Comentários

comentários

Sobre o autor

Ana Paula Pasqualin Tokunaga

1 comentário

  • Caro Guilherme, parabéns pela coragem de mostrar o caso, muitos só mostram o sucesso e é importantíssimo deixar claro que nem tudo são flores. Em relação à conduta, como CTBMF e me colocando no lugar do paciente, optaria por uma abordagem aberta com uso de fixação interna rígida, ou seja, placa e parafuso. A barra de Erich é extremamente desconfortável e ao meu ver, o bloqueio intermaxilar do paciente deve ser evitado sempre que possível. Enfim, sempre há mais de uma abordagem possivel, parabéns pela conduta e abraço.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.