OdontoSecção #16 – Anabolizantes influenciam na osseointegração ???



Boa dia amigos do VDD, saudações alvinegras (viva o Galo mais lindo do mundo).

Na última coluna relatei um caso de uma paciente que chegou para mim aqui no CEO que possui um canino superior incluso em posição invertida e que eu faria o posterior relato da cirurgia, bem, a paciente optou em não operar, uma vez que o dente não tinha qualquer sintomatologia.

Então eu fiquei pensando em algo interessante para trazer a vocês e hoje me lembrei de um caso relatado por um colega e professor durante um curso de pós graduação em implantodontia que fiz recentemente.

anabolizantes

Anabolizantes

O caso em questão consistia de paciente do sexo feminino, na faixa dos 30 anos, saúde perfeita, praticamente de fisiculturismo e que eventualmente (ou constantemente) fazia uso de suplementação alimentar e de outras substâncias. Enfim, a paciente possuía um pré molar superior com fratura longitudinal da raiz e optou-se pela exodontia e implante imediato.

Tudo correu perfeitamente. Cirurgia sem intercorrências e implante travado com 45N. Quatro meses após, na hora da reabertura, o implante não estava integrado. O profissional removeu o implante, recondicionou o leito e colocou outro implante, de outro fabricante, 45N de travamento… Seis meses depois o implante também não estava integrado.

Pós operatórios idênticos, sem infecções, sem nada fora do normal. O que poderia estar causando isso? Existem relatos na literatura sobre a ação de testosterona e demais drogas anabolizantes no metabolismo ósseo, sendo inclusive utilizadas no tratamento de osteoporose, mas nenhuma relação com osteonecrose nem à osseointegração dos implantes. E como foi observado na hora das reaberturas não havia sinais de necrose óssea.

Seria então o torque de inserção e travamento do implante? O profissional refez todo o trabalho, mas, dessa vez ele não fez a subfresagem (preparar o leito com uma fresa de menor diâmetro que o implante, visando maior travamento) e preparou o leito para o implante no diâmetro exato do mesmo. Instalou um implante cônico de 4.1mm e fresou até a broca 4.1. Dessa vez o travamento foi bem menor, apenas 23N, mas dentro dos parâmetros de estabilidade primária aceitáveis. Foi programada e reabertura para daí a 8 meses.

Na hora da reabertura a surpresa – o implante estava devidamente integrado ao osso e pronto para ser condicionado para receber a prótese.

Então com esse relato e demais relatos encontrados na Internet (recomendo o grupo perio-implantar no Facebook) podemos concluir que drogas anabolizantes influenciam na integração de implantes ou foi uma coincidência?

Há de se investigar! Fica aí uma sugestão para um estudo a médio e longo prazos!

Um abraço.

Compartilhe com os amigos
  • 3
    Shares

Comentáros

comentários

Fabrício Mendes
Fabrício Mendes
Fundador do Vida de Dentista

8 Comentários

  1. Passei por caso muito semelhante. Utilizei um implante com ósseo indutor, foi quando obtive um resultado positivo. Realmente deveriam fazer um estudo analisando qual o motivo da dificuldade de ocorrer osseointegração em tais pacientes.

  2. A não osseointegração teria se dado pelo torque? Não compreendi.
    Sob pressão não formaria osso e num quadro inflamatório controlado sim?
    Não faço implante, mas informação é sempre bom e não ocupa espaço.
    Abraços

  3. Na verdade não. Pois torques de até 60N são aceitáveis e acontece reparo ósseo. Excesso de compressão e consequentemente necrose do tecido acontece, mas com torques muito elevados.
    A perda nesses casos relatados deve ter alguma relação com o uso da suplementação alimentar ou ainda de substâncias anabolizantes. Recentemente tem-se discutido muito sobre o tema em grupos do facebook e a literatura é ainda escassa.
    Como disse o autor deve-se pesquisar mais sobre o assunto e produzir literatura.

  4. Roseli disse:

    Olá.Parabéns pelos texto.Acompanho sempre que posso.
    Houve um caso recentimente relatado em um grupo do facebook -Osteonecrose dos , o administrador do grupo é o Dr. Silvio que conhece bastante sobre o assunto .No caso abordado a paciente fazia uso de suplementaçôes e houve o insucesso.Este grupo normalmente trata do uso dos bifosfonatos, mas desta vez houve uma questão com anabolizantes…eu recomendo a leitura e acompanhamento…

  5. Diogo Antunes disse:

    Não vi a informação sobre a paciente ter deixado de fazer uso de anabolizantes. Notei q o colega apenas modificou a técnica ( deixou de subinstrumentar). Não entendi. Abç

  6. Diogo Antunes disse:

    Toques muito elevados causam esmagamento das células circundam o implante e consequentemente necrose óssea. Fracasso da osseointegração.

  7. Diogo Antunes mas neste caso parece que não houve excesso. Minha duvida é pq com torque correto não osseintegrou e com torque leve, sim? Como seria a ação dos anabolizantes? Mas é por isso que precisa-se de mais estudos. Por isso fico só no terreno da curiosodade.Obrigada 🙂

  8. Ricardo disse:

    Essa questão em relação ao torque de travamento do implante tambem pode variar de marca para marca, alguns pedem torque de travamento e putras somente que o implante esteja estabilizado no leito receptor. Porem torques acima de 60N podem gerar uma perda ossea da crista ossea devido a exagerada pressão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *