Cirurgia

Cirurgia Ortognática para correção de Apneia do Sono

Polêmica reportagem sobre cirurgias ortognáticas para tratamento de apneia obstrutiva do sono está causando furor entre dentistas. O motivo ? Leia e entenda

Uma polêmica reportagem da Folha de São Paulo sobre as cirurgias ortognáticas que são feitas com o intuito de se tratar a apneia obstrutiva do sono está causando um certo furor na classe Odontológica. O motivo ??? Leia a reportagem e entenda:

Cirurgias que corrigem a posição de dentes e ossos faciais, chamadas buco-maxilo-faciais ou ortognáticas, têm sido alvo de polêmica tanto por indicações desnecessárias quanto pelo preço, que chega a R$ 700 mil. A pedido de planos de saÚde, o Hospital Albert Einstein criou um programa que oferece segunda opinião sobre o procedimento. Os primeiros resultados impressionam: de 34 casos analisados, só 29% tinham indicação cirÚrgica.

Normalmente, a cirurgia corrige ao mesmo tempo a estética (quando o queixo é muito para frente) e função (mastigação, por exemplo). Nos àºltimos anos, porém, vem crescendo a indicação cirÚrgica para a apneia do sono –a interrupção da respiração por um período superior a dez segundos.

Uma diretriz norte-americana, por exemplo, mostra que a cirurgia buco-maxilo-facial só deve ser feita quando a apneia for severa e o paciente não aderiu ao CPAP, uma pequena máquina –semelhante a um compressor de ar– que fornece fluxo de ar de forma contínua.

Outra revisão da Cochrane (rede de cientistas que avalia a efetividade de tratamentos) diz que falta evidência sobre uma maior efetividade ou não da cirurgia ortognática para apneia do sono. O artigo chama atenção para a alta taxa de complicações, de 22%. Entre elas, infecções e necessidade de reoperação.

Foi o que aconteceu com a administradora Fabiana, 50. Entre 2009 e 2011, ela fez três cirurgias ortognáticas para corrigir a arcada dentária e melhorar a apneia do sono. Mas elas não funcionaram.

Meus dentes continuam tortos, o ronco piorou, tenho dores no maxilar e fiquei sem sensibilidade em algumas partes do rosto”, conta. Segundo Miguel Cendoroglo Neto, diretor do Einstein, além das complicações, a cirurgia, quando mal indicada, não livra a pessoa do ronco.

“[A cirurgia] não é 100% eficaz. Frequentemente o paciente continua roncando e precisando do CPAP”, diz ele.

Mario Ferretti, professor de ortopedia e traumatologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e que coordena o programa do Einstein, explica que não adianta fazer a cirurgia se o paciente continuar com os problemas que interferem na respiração.<

“Paciente obeso ou que usa muito sedativo para dormir ou que ingere muito álcool vai continuar roncando mesmo depois da cirurgia.”

Claudio Miyake, presidente do Crosp (Conselho Regional de Odontologia do Estado de São Paulo), defende, nos casos de apneia, uma atuação multidisciplinar.

“Só o cirurgião buco-maxilo-facial pode não resolver. Mas há muitos trabalhos mostrando que ampliação do formato das arcadas dentárias libera as vias aéreas e resolve casos de apneia.”

Outra polêmica envolvendo as cirurgias buco-maxilo-faciais é o preço, que ultrapassa R$ 150 mil só com material (pinos e placas de titânio). Assim como outros procedimentos que envolvem a colocação próteses (cirurgias de coluna e de quadril, por exemplo), elas são alvo de uma investigação dos ministérios da SaÚde e da Justiça.

Penso que esse tipo de estatística mostrada na reportagem tem que ser MUITO bem analisada, pois é de interesse dos planos vetar a realização das mesmas, para assim diminuir seus gastos. Concordo que em algum caso ou outro a cirurgia possa até ser “mal indicada”, mas a reportagem passou uma imagem de despreparo profissional, com erros de diagnóstico e planejamentos que podem arranhar a nossa credibilidade perante os pacientes.

E você colega … o que achou ???

Dica da minha amiga Vanessa que viu aqui

Comentários

comentários

Sobre o autor

Fabricio F. Mendes .'.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.