Polícia fecha banco de ossos clandestino

banco de ossosDois irmãos foram ontem, em Londrina-PR, presos por tráfico e comércio de órgãos, em uma investigação até então sigilosa do Núcleo de Repressão aos Crimes contra a Saúde (Nucrisa), de Curitiba. Na manhã de ontem, a operação culminou com a descoberta de um banco clandestino de ossos.
Segundo a Polícia Civil, a dupla presa abastecia, via Correio, â??mercadosâ? de dentistas, principalmente implantodontistas, de várias partes do país.
Monitoradas, as correspondências com os materiais observou-se destinos como os estados de Minas Gerais (Belo Horizonte), Pará (Belém), Chapecó (SC), Goiás e Mato Grosso. A Polícia Civil atesta que pequenos frascos com ossos eram vendidos por valores de R$ 180 a R$ 250  e suspeita-se que o comércio clandestino operava desde 2004.
Na casa e no apartamento dos irmãos foram apreendidos 16 cabeças de fêmur, 89 frascos com pedaços de ossos e 46 frascos com ossos moídos em um liquidificador, imersos em uma solução de soro fisiológico. Havia, ainda, sete embalagens com partículas de ossos e uma embalagem com fragmentos de ossos do quadril que seriam usados para enxertos odontológicos.
“A quantidade de vítimas é incalculável” diz a delegada responsável pelo caso. Veja a moça falando:

Se você é um dos dentistas que fazia parte da carteira de clientes dos irmãos Kléber e Karlo Cavalca eu lamento informar mas você será investigado, pois ao comprar osso de um banco de ossos clandestino você também cometeu crime. 🙁

 

Compartilhe com os amigos
  • 9
    Shares

Comentáros

comentários

Fabrício Mendes
Fabrício Mendes
Fundador do Vida de Dentista

6 Comentários

  1. Meu Deus! Imagino o tipão dos dentistas que eram "clientes".

  2. Angela Regina Ribas disse:

    Credo,aonde vamos parar!

  3. meu Deus.Tem que dormir um olho aberto e outro fechdo.Se bobiar fica sem fêmur….

  4. Putz. Viram essa André Zavarise e Dgiovanini Bonetti?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *