O arrancador de dentes

arrancar dente

Existia numa cidadezinha do interior um homem que achava que era dentista e, como tal, praticava odontologia mesmo sem nunca ter pego num livro ou entrado numa clínica de faculdade alguma. Ele era “o arrancador de dentes” da cidade e por muitos anos todos, querendo ou não dependiam dos seus serviços.

Ilegalmente exerceu a profissão de dentista por mais de 50 anos e grande parte das dentaduras da população mais velha daquele município foram confeccionadas pelas mãos daquele homem.

Com certeza aliviou muitas dores de dente nesse tempo, mas também fez muita gente sofrer. Quantas raízes não foram fraturadas ??? Quantas placas de tábua óssea não foram extirpadas junto com os milhares de dentes que ele extraiu ??? Quantas dentaduras mal adaptadas e sem o devido polimento não foram empurradas a seus “fregueses”, que tiveram que usá-las até a boca “calejar” ??? Quantas hemorragias ele não produziu ???

Foi um tempo difícil para a população que só tinha ele como recurso odontológico. Porém, mesmo depois que muitos dentistas formados se instalarem naquela cidade, alguns malucos ainda se sentavam lá na “garagem-consultório” dele. Mas de hoje em diante isso não vai mais acontecer. O carro de som na rua anunciava que o arrancador de dentes foi  prestar contas de tudo que fez em vida. E pelo visto o papo lá em cima vai ser longo …

Compartilhe com os amigos

Comentáros

comentários

Fabrício Mendes
Fabrício Mendes
Fundador do Vida de Dentista

0 Comentários

  1. Paulo Filho disse:

    Cara, de boa?

    Acho que na época que os práticos existiam em enormidade no Brasil, eles nao eram piores nem melhores que os dentistas formados.

    #prontofalei

  2. Edélcio Francisco Anselmo disse:

    Realmente teve época em que os dentistas práticos proliferavam neste país, e com certeza muitas barbaridades eram cometidas.Assim como havia o farmacêutico tradicional nas cidadezinhas que atuava como médicos examinando, elaborando diagnósticos e orientando e aplicando tratamentos para a população que confiava muito na sua capacidade.
    Mas vale a pena relembrar que alguns profissionais formados devem praticar a medicina e odontologia ditas populares que podem culminar em mal atendimento.Precisamos valorizar o papel do CD como promotor da saúde independente do retorno financeiro.

  3. Alvin G. Fasolin Tomm disse:

    Concordo com as duas respostas acima… Ã? complicado a gente ver certas barbaridades por ai, chega a dar até uma tristeza… vontade de trocar de profissão…
    Mas como disse o Edélcio, nós CD devemos valorizar o papel de promotores de saúde, deixando de lado o financeiro…
    Esse é um grande problema, o financeiro acima de tudo… fazer o que…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *