Amálgama dental pode estar com os dias contados

escultura_amalgamaÉ com tristeza no coração que venho alertar que o amálgama dental pode estar com os dias contados.

Na semana passada, vários grupos americanos contrários à esse excelente material restaurador entraram com uma ação contra a FDA (Food and Drug Administration), acusando a agência estatal de não conseguir lidar corretamente com o risco de mercúrio em obturações dentárias.

Os autores estão exigindo a proibição formal do uso de amálgama dental ou uma reclassificação do risco de seu uso pela FDA. De acordo com a organização sem fins lucrativos de saúde da Academia Internacional de Medicina Oral e Tecnologia (IAOMT), a FDA não conseguiu responder dentro de um prazo razoável para petições pedindo a proibição ou a colocação em uma classe de maior risco com restrições adicionais e provas mais rigorosas de segurança.

O FDA atualmente lista o amálgama dental como um dispositivo de Classe II. Nessa classe estão dispositivos de maior risco que exigem maior controle quanto à oferta de segurança e eficácia, tais como preservativos.

Foi documentado por grupos de estudos contrários ao bom e velho amálgama que o mercúrio presente nele pode acumular-se no corpo, causando efeitos adversos no sistema nervoso e os rins. As crianças, em particular, são mais suscetíveis aos seus efeitos, o que levou muitos países a desaconselharem a sua utilização em crianças e mulheres grávidas. Devido à sua toxicidade, o produto químico foi proibido em desinfetantes, termômetros e muitos outros produtos de consumo.

Compartilhe essa postagem com seus amigos
  •  
  • 6
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Comente

Comentários

22 comentários em “Amálgama dental pode estar com os dias contados

  • 11 de março de 2014 em 17:34
    Permalink

    Sou formado a dois anos, e desde a faculdade não utilizo o amalgama, acho q nao teria tantos efeitos assim pra odontologia se caisse em desuso.

    Resposta
  • 11 de março de 2014 em 17:37
    Permalink

    Imbecilidade…. Vamos proibir tudo… Políticos corruptos q deixam agte com tanta raiva e ja foi provado cientificamente q sentimentos como esse causa câncer! Não vamos sair sob o sol, raios ultra violeta são um veneno! Vamos proibir os automóveis movidos a combustível q libera gases que atenuam o efeito estufa! Vamos parar tudo ate de respirar!

    Resposta
  • 11 de março de 2014 em 19:15
    Permalink

    concordo plenamente Dr. Fabricio…. tem paciente com amalgama com 30 anos na boca, sem infiltração de carie ! material fantástico, vai ser uma pena a sua saída do mercado.

    Resposta
  • 11 de março de 2014 em 19:15
    Permalink

    Prevejo muitas endodontias por conta de infiltrações , pois tenho visto cada restauração em resina que peloamordeDeus !!!

    Resposta
  • 11 de março de 2014 em 19:16
    Permalink

    nossa q loukura esta foto

    Resposta
  • 11 de março de 2014 em 19:20
    Permalink

    concordo Maurício Dias acho q não fara tanta falta assim!!!! tmb não utilizo amálgama, os pacientes q tenho a grande maioria estão pedindo para trocar por resina, são insatisfeitos com as restaurações de amálgama!!!

    Resposta
  • 11 de março de 2014 em 20:08
    Permalink

    tenho amálgamas há 40 anos na boca e nunca foram trocados…e num país como o nosso onde poucos profissionais sabem realmente trabalhar com resina não quero nem ver o que vai acontecer daqui a alguns anos….

    Resposta
  • 11 de março de 2014 em 17:40
    Permalink

    Realmente é um exagero tirar o amálgama do mercado. Nunca ouvi mto menos vi algum caso que o paciente teve problemas sistêmicos devido a uma restauração de amalgama… acredito q essa medida, caso realmente for tomada, totalmente desnecessária.

    Resposta
  • 12 de março de 2014 em 01:15
    Permalink

    Se todos os amalgamas fossem bem feitos e bonitos como o da foto, tudo bem! Mas o que chega pra mim é sempre um "panelao" segundo os meus pacientes!

    Resposta
  • 12 de março de 2014 em 01:18
    Permalink

    Hortência Xavier, responda ai qual foi sua salvação quando 3 restaurações de resina composta na paciente não deram certo?

    Resposta
  • 12 de março de 2014 em 09:12
    Permalink

    Infelizmente, como tudo que rege as regras de saúde no mundo inteiro, tenho certeza que esta proibição está ligada aos interesses financeiros das indústrias de fabricação das novas resinas ou similares. O custo de produção da limanha de prata e do mercúrio, é ínfimo perto da produção das “novas tecnologias” das resinas e similares, gerando um preço final que eleva, e muito, o lucro destas indústrias. Sou formado em 1980 e deixei a odontologia em 1995. Mas não sou cego e acompanho tudo em termos de atualizações. “Tá na cara” que isto só obedece aos interesses financeiros das grandes indústrias de materiais odontológicos…

    Resposta
  • 12 de março de 2014 em 12:07
    Permalink

    Uma pena….pois pra quem atua diariamente ha 15 anos e vê o q vemos com relação as resinas….fica o pensamento: como estará a boca das pessoas daqui alguns anos? Gosto da resina e trabalho diariamente com ela…porem sempre oriento os meus pacientes quanto aos cuidados de manutenção das resinas e de seu tempo de durabilidade… só vejo uma vantagem quanto ao sumiço do amalgama do mercado: a maior lucratividade a nos dentistas…

    Resposta
  • 12 de março de 2014 em 21:45
    Permalink

    Amalgama é um santo material, principalmente no serviço público de saúde. Lamento sua suspenção.

    Resposta
  • 13 de março de 2014 em 05:32
    Permalink

    Queridos colegas, o amalgama foi um grande material, mas avançamos para a era da Odontologia Minimamente
    Invasiva. Com materiais que assim com o amalgama evitam as
    infiltrações, como os ionomeros de alta viscosidade. Que ainda
    liberam fluoretos os quais interferem no metabolismo da placa
    dento-bacteriana. Permitem ainda, a remoção apenas da dentina decomposta (antigamente chamada infectada), diminuindo o tamanho do preparo, aumentando a expectativa de vida dentária, evitando o ciclo de repetir restaurações, até chegar aos implantes.

    Resposta
  • 31 de março de 2014 em 23:32
    Permalink

    Oi gabriel, que legal ver sua opinião por aqui! Realmente o Ionomero de vidro de alta viscosidade substitui muito bem o amálgama de prata! Mas tendo em vista que o valor do mesmo não é compatível com toda a população, eu ainda na minha singela opinião levanto bandeira pro amálgama! Eu vivo duas realidades aqui na minha cidade, o consultório particular onde faço a Odontopediatria com Ionomeros na maioria das vezes, e a realidade da Prefeitura, que o uso de amálgama é constante! Eu particularmente gosto muito do amálgama, por todas caracteristicas que nós todos já conheçemos, e pelo seu baixo custo!
    Bom, deixo aqui tbm meus bons votos de sucesso, que a cada dia mais você cresca na Odontopediatria, afinal essa casa ai é uma ótima escola! Até mais! =)

    Resposta
  • Pingback: Amálgama Dental está quase PROIBIDO no Brasil

  • Pingback: Pode usar amálgama à vontade. Ele NÃO está mais proibido

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *