Oral-B lança escova com bluetooth

oral-b bluetoothA Oral-B lançou essa semana uma escova com bluetooth que interage com um aplicativo para smartphones afim de estimular e guiar a escovação dos pacientes.

Nós dentistas sabemos que são necessários pelo menos dois minutos para cada sessão de escovação, mas a maioria das pessoas terminam isso esse ato antes. Para acabar com isso a SmartSeries se comunica com o seu telefone via Bluetooth 4.0 e te mostra uma contagem regressiva na tela do seu telefone para se certificar que você não vá interromper a escovação antes da hora. Para complementar ainda mais a novidade, em determinados intervalos a escova vibra para que você saiba que é hora de passar para a próxima parte de sua boca.

No aplicativo para smartphones você pode ajustar o temporizador para atender às suas próprias necessidades de escovação. Além disso você pode alterar a exibição na tela, desde uma contagem regressiva simples ou até uma imagem de uma boca, mostrando onde você precisa concentrar mais sua escovação. Também há um sensor de pressão, que gera uma luz vermelha afim de alertá-lo quando você pressionar demais a escova nos dentes e gengiva. Além disso ela tem 6 velocidades pré-programadas e fornece na tela do seu celular dicas odontológicas, notícias, previsão do tempo e sugestão de profissionais próximos de você.

E se você é daqueles que não utiliza o smartphone em banheiros, a escova tem uma memória interna que permite gravar as últimas 20 sessões para depois você sincronizar ao seu aplicativo que também “gamifica” todo o processo de limpeza de seus dentes, concedendo badges e troféus como por exemplo, “usuário Power” ou “madrugadores”, armazenando os dados para que você mostre ao seu dentista.

Compartilhe essa postagem com seus amigos
  •  
  • 3
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Comente

Comentários

2 comentários em “Oral-B lança escova com bluetooth

  • 24 de fevereiro de 2014 em 20:33
    Permalink

    670 Pilas pra fazer exatamente o mesmo trabalho da que custa 5 pilas. A q ponto chega a ignorância e a dependência tecnológica.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *